Menu de navegação das páginas

Dicas para plantar sua horta de modo divertido, saudável, delicioso e dando muito menos trabalho do que imagina

Quem somos

Cresci em São Paulo, no meio do concreto. Sou de um tempo em que as escolas não ensinavam essas coisas de ecologia, não tinham horta (era um escorregador, um tanque de areia e olhe lá!). Nunca havia sequer pensado na possibilidade de plantar meus próprios alimentos.

Aos vinte e poucos anos, fui morar em Roma. Meu apartamento tinha uma varandinha. Na verdade, é exagero chamar de varanda. Era uma faixa de uns 30 centímetros com uma grade pra fora da janela.  Neste pequeno espaço, havia duas floreiras abandonadas.

Uma certa noite, resolvi ir à banca de um florista que havia lá perto comprar um pouco de verde para as tais floreiras. Logo na porta, alguns vasos de temperos e pimentas.Voltei para casa com manjericão, sálvia, hortelã e alecrim, ainda que não tivesse a menor ideia de como comer essas coisas.

Para ser 100% sincero, eu até já tinha comido umas folhas de hortelã que minha avó plantava em sua casa, quando eu era criança (ela brigava se a gente não lavasse antes de comer!), mas minha experiência terminava aí.

Mesmo assim, achei que seria uma ótima idéia, se eu também pudesse comer um pouco daquele verde.

O hortelã, foi o primeiro a morrer. Quando o manjericão morreu um pouco depois, corri para substituir porque já colocava em todas as coisas que eu cozinhava. A sálvia durou um pouco mais e o alecrim deve estar lá até hoje.

Percebi que plantar comida era fácil, relaxante e muito divertido. Fui aprendendo receitas novas e vi como é útil e gostoso ter ingredientes frescos sempre à mão.

Mexer na terra ao final de um dia stressante e ver toda a tensão ir embora. O aroma das ervas colhidas na hora. A doçura dos tomates maduros colhidos no pé. O sabor especial dos morangos que você cultivou em casa sem agrotóxicos. Os passarinhos que roubam suas amoras antes que fiquem madura, mas, em troca, voltam todos os dias e cantam para você.  Tudo isto não tem preço!

Desde então, várias coisas mudaram: eu voltei para o Brasil, fui morar numa casa com uma varanda um pouquinho maior e nunca mais parei de plantar umas coisas para comer. Além dos temperos, já plantei pimentas de vários tipos (meus papagaios adoram!), alface, escarola, tomates, morangos, até flores comestíveis. Também fui aprendendo a cuidar melhor das plantas, a obter melhores colheitas, como conservar e, principalmente, como comer, que é a parte mais gostosa!

Cultivar seus próprios alimentos em casa não é difícil. Não precisa ter dedo verde. Basta conhecer as particularidades e necessidades de cada planta. Técnicas adequadas ajudam a obter melhores resultados.

Você também não precisa de grandes fazendas para começar a cultivar seus alimentos. Com vasinho na janela, um canto da área de serviço ou da varanda, já dá pra começar sua lavoura doméstica.

Eu fui aprendendo na base da tentativa e erro, lendo e pesquisando tudo o que encontrava a respeito, mas sempre senti falta de um lugar onde pudesse encontrar informação objetiva para responder as minhas dúvidas.

Este blog é meu estímulo para que cada vez mais pessoas experimentem a delícia de comer um vegetal fresco cultivado com as próprias mãos. E para ficar ainda mais gostoso, você vai encontrar aqui receitas que adoro e ajudarão a impressionar os convidados mais exigentes.

Boa leitura!

‫‫‫‫‫‫‫

Pin It on Pinterest

Share This